Mentes Criativas

A surda e cega que virou professora e educadora de sucesso

Nenhum obstáculo é grande o suficiente para uma mente criativa como a de Helen Keller, ativista respeitada em todo o mundo

Helen Keller foi uma escritora, educadora e ativista, cega e surda, nascida em 27 de junho de 1880, Tuscumbia, Alabama, nos Estados Unidos.

Nasceu com seus sentidos em perfeito estado, mas com 19 meses de idade foi acometida de uma doença (provavelmente escarlatina) que a deixou cega e surda. Aos 6 anos de idade ela chegou a ser examinada por Alexander Graham Bell, inventor do telefone, que à época fazia um trabalho com crianças surdas. Na ocasião, ele indicou para ela uma professora de 20 anos, Anne Sullivan, do Perkins Institution for the Blind, em Boston. A amizade das duas se tornou tão forte que ficaram juntas até a morte de Anne em 1936.

Em poucos meses, Keller aprendeu a sentir objetos e a associá-los a palavras escritas por linguagem de sinais, a ler frases ao sentir palavras em relevo no papelão e a fazer suas próprias frases organizando palavras em um quadro. De 1888 a 1990 aprendeu o método braile. Ela também aprendeu a ler os lábios, colocando os dedos nos lábios e na garganta da outra pessoa enquanto as palavras eram soletradas simultaneamente para ela.

Escritora de sucesso

Com a ajuda de Sullivan e de seu futuro marido, John Macy, Keller escreveu seu primeiro livro, uma autobiografia chamada “A História da Minha Vida”, que cobriu sua transformação da infância problemática para uma estudante universitária de 21 anos, sendo admitida no Radcliffe College em 1900 e se formando com louvores em 1904. Foi a primeira pessoa cega e surda a conseguir um diploma de Artes.

“Nunca se deve engatinhar quando o impulso é voar”

Helen Keller

Este livro foi base para um drama televisivo de 1957, The Miracle Worker. Em 1959, se transformou em uma peça da Broadway com o mesmo título e um filme em 1962. Todos premiados. Depois iniciou a carreira no jornalismo, escrevendo artigos no Ladies Home Journal.

Em 1913, começou a lecionar (com a ajuda de um intérprete), principalmente em nome da Fundação Americana para os Cegos, para o qual mais tarde criou um fundo patrimonial de US $ 2 milhões, e suas palestras a levaram várias vezes ao redor do mundo.

Reconhecimento em todo o mundo

Durante sua vida, recebeu honras em reconhecimento de suas realizações, incluindo a Medalha de Serviço Distinguível Theodore Roosevelt em 1936, a Medalha Presidencial da Liberdade em 1964 e a eleição para o Hall da Fama das Mulheres em 1965. Ela também teve doutorados honorários da Universidade Temple e da Universidade de Harvard e das universidades de Glasgow, na Escócia; Berlim, Alemanha; Delhi, Índia; e Witwatersrand em Joanesburgo, África do Sul. Além disso, foi nomeada Honorary Fellow do Educational Institute of Scotland.

Keller morreu dormindo em 1º de junho de 1968, apenas algumas semanas antes de seu aniversário de 88 anos.

Ela escreveu sobre sua vida em vários livros, incluindo A História da Minha Vida (1903), Otimismo (1903), O Mundo em que Vivo (1908), Minha Religião (1927), Jornal de Helen Keller (1938) e The Open Door. (1957).

 

O dia em que Helen Keller deu um tapa na cara dos estudantes nazistas

Quando soube que seu livro seria queimado por estudantes nazistas durante a Segunda Guerra, ela escreveu uma carta pungente.

Para o corpo estudantil da Alemanha:

A história não lhes ensinou nada se vocês acham que podem matar ideias. Os tiranos já tentaram fazer isso muitas vezes antes, e as ideias se ergueram com todo o seu poder e os destruiu.

Vocês podem queimar meus livros e os livros das melhores mentes da Europa, mas as ideias neles já se infiltraram em um milhão de canais e continuarão a inspirar outras mentes.

Eu doei todos os royalties dos meus livros para os soldados alemães que ficaram cegos na Primeira Guerra Mundial em carregar em meu coração nada além de amor e compaixão pelo povo alemão.

Reconheço as graves complicações que levaram à sua intolerância. Mas mais do que isso, deploro a injustiça e a insensatez de transmitir às gerações futuras o estigma de seus atos.

Não imaginem que suas barbaridades contra os judeus sejam desconhecidas aqui. Deus não dorme e Ele visitará o Seu julgamento sobre vocês. Seria melhor para vocês afundar no mar com uma pedra de moinho pendurada no pescoço e a serem odiados e desprezado por todos os homens.

 

Conclusão:
Não existe desculpa para não desenvolver sua criatividade.

 

Fonte
BiographyPantagruelista
Mostre Mais

Coord. Pedagógica

Equipe multidisciplinar composta por filósofos, psicólogos, sociólogos, antropólogos, semiólogos, zoólogos, paleontólogos, teólogos, epistemólogos, tarólogos, bacteriólogos, monólogos, ufólogos, podólogos e egiptólogos, responsáveis por definir os caminhos pedagógicos da Escola Nômade para Mentes Criativas,

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Fechar
Fechar

Bloqueador de Anúncios Detectado

Considere dar uma força pra gente desabilitando seu bloqueador de anúncios