Ensinamentos de São Magaiver

Não pode haver Lava-Jato no início do processo criativo

Não se sinta culpado. Para começar a criar ninguém será acusado de destravar o cérebro e produzir pensamentos sem filtro

O primeiro primeiríssimo estágio da criação é botar pra fora tudo o que vier a cabeça, sem julgamento, sem bloqueios, sem se preocupar se é bom ou ruim, “certo” ou “errado”, processo que Henrique Szklo chama de “Criarreia”. Se você fizer qualquer tipo de julgamento neste momento, certamente não conseguira se libertar de seu repertório pessoal, portanto, nem que a vaca tussa vai conseguir gerar ideias realmente novas e originais. Se julgar, seu cérebro ficará preso.

Julgar uma ideia no início do processo criativo é como avaliar um bebê antes de saber que tipo de adulto ele será.

O “errado”, o “ruim”, o “nada-a-ver”, a “idiotice”, o “como-eu-penso-merda” e muitos outros pensamentos limitantes são apenas sinais de que você está confrontando seus padrões, suas crenças. E isso seu cérebro não pode permitir.

O ato de criar é e sempre será um esforço de vontade. Jamais será automático. Você precisa querer criar e portanto irá dispender energia extra. Ou seja, além de tentar proteger nossos padrões adquiridos com unhas e neurônios, o cérebro quer porque quer economizar energia. Então, ele irá resistir a novos pensamentos. Mas não muito. Basta que insistamos um pouco que ele irá abrir a porta para o desconhecido.

O processo criativo é movido à desconforto

O problema é que a maioria das pessoas se convence de que o pensamento é condenável apenas porque sentiu algum tipo de desconforto. E desiste de continuar. Mas são justamente estas coisas que nos incomodam que devemos levar mais em consideração na hora de criar. E atenção! O incômodo não irá desaparecer só porque temos consciência do que está acontecendo em nosso cérebro. Só porque sabemos que é preciso enfrentar o desconforto e continuar, não quer dizer que ele irá sumir. Então, relaxe e crie. Dane-se o desconforto!

Tome pra você o controle da situação e não deixe que o desconforto manipule suas decisões. É a sua Razão quem deve decidir que rumo tomar, independentemente do que o cérebro lhe informar. A capacidade de refletir é o que nos faz diferentes dos outros animais. Então, aproveite e use a seu favor.

“Se, a princípio, a ideia não é absurda, então não há esperança para ela”

Albert Einstein

No início, não se preocupe em acertar. Se preocupe apenas em botar pra fora tudo o que vier à cabeça. Só assim você permitirá que muitos indutores surjam de maneira espontânea e rica em possibilidades. Conforme o processo vá avançando, é natural, e desejável, que seu nível de julgamento também avance. É só no final do processo que você deverá ser mais rígido e criterioso com relação à ideia.

Mas cuidado para não cair na armadilha do cérebro. A insegurança é um termômetro que mede a originalidade de uma ideia. Ela não será necessariamente criativa, mas certamente será original. Como sempre diz o Henrique Szklo. “Na criatividade não existe certeza, apenas esperança”.

Mostre Mais

São Magaiver

Santo protetor da Criatividade e da capacidade de nos adaptarmos à novas situações de maneiras inusitadas. Ele é o mestre das soluções de problemas, um verdadeiro modelo de comportamento no que diz respeito à utilização do que se tem a mão para resolver problemas dos mais diferentes tipos.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 3 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Fechar

Bloqueador de Anúncios Detectado

Considere dar uma força pra gente desabilitando seu bloqueador de anúncios