Almanaque Criativo

O símbolo da beleza feminina na Pérsia do início do séc. XX

Zahra Khanom Tadj es-Saltaneh, uma princesa que balançava os corações masculinos

O conceito de beleza vem se transformando ao longo do tempo. Cada cultura já teve sua versão bem particular do que é ser uma mulher bonita. Nos dias de hoje, com a globalização, aspectos culturais têm se tornado cada vez mais similares e as diferenças quase não são mais percebidas.

Que beleza!

Na Pérsia do século XIX, quanto mais masculina a mulher fosse, mais bonita era considerada. Sobrancelhas grossas e bigodes fracos eram tão atraentes que às vezes eram pintados ou aumentados com rímel. Nos retratos dos amantes do século XIX, os gêneros mal eram distinguíveis.

Com o passar do tempo, porém, o Irã foi se modernizando, absorvendo pouco a pouco a cultura ocidental, e esses padrões de beleza foram perdidos.

Conheça a Gisele Bündchen das arábias

Zahra Khanom Tadj es-Saltaneh (1883-1936) foi uma princesa persa da Dinastia Qajar, filha de Naser al-Din Shah (rei da Pérsia de 1843 a 1896) com sua esposa Turan es-Saltaneh. Era considerada o símbolo máximo da beleza feminina na Pérsia do início do século XX. Foi casada com Amir Hussein Khan Shoja’-al Saltaneh e teve duas filhas e dois filhos. Mais tarde, se divorciaram.

Destruidora de corações

O poeta persa Aref Qazvini era apaixonado pela moça, para quem escreveu seu poema Ey Taj. Na verdade, um total de 13 jovens se mataram por não terem seu amor correspondido.

Taj Saltaneh era feminista e pioneira na luta pelos direitos das mulheres no Irã. Era uma proeminente membro-fundadora do grupo clandestino de direitos das mulheres do Irã, Anjoman Horriyyat Nsevan (Sociedade da Liberdade da Mulher), que trabalha pela igualdade de direitos para as mulheres por volta de 1910.

Era escritora, pintora, intelectual e ativista. Costumava organizar salões literários em sua casa. Foi a primeira mulher no tribunal a tirar o hijab e usar roupas ocidentais.

Sua vida, sua obra e seu papel como feminista é hoje matéria de estudos do Oriente Médio na Universidade de Teerã e em Harvard.

Tudo é padrão

Este é apenas um exemplo de como tudo o que pensamos, acreditamos e entendemos são apenas padrões adquiridos. Não existe o certo e o errado na natureza. Tudo faz parte de um conjunto de códigos que cada grupo cultural desenvolve de forma constante e que se transforma ao longo do tempo. O que é bom hoje, pode não ser amanhã. E vice-versa.

Fonte
Vintage Everyday
Mostre Mais

Henrique Szklo

Nascido em Belo Horizonte (MG) e graduado em Publicidade e Propaganda pela FAAP, Henrique exerceu durante 18 anos a profissão de publicitário na área de criação, como redator e Diretor de Criação. Hoje é estudioso da criatividade e do comportamento humano, escritor, professor, designer gráfico e palpiteiro digital. Desenvolveu sua própria teoria - NeuroCriatividade Subversiva - e seu próprio método - Gestão do Pensamento. É professor no MBI da UFSCar, escreve no site Proxxima (M&M), é coordenador do curso de criatividade da Escola Panamericana de Arte e Sócio da Escola Nômade para Mentes Criativas. Tem 8 livros publicados (humor e criatividade) e é palestrante de sucesso com passagens pelas principais capitais do país. É palmeirense.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios