A História das Coisas

Heil, Fanta! A história do refrigerante criado na Alemanha nazista

Fabricado com fibras de maçã, açúcar de beterraba e um subproduto de queijo, era uma autêntica gororoba líquida



Mark Pendergrast, autor do livro For God, Country and Coca-Cola conta uma história que nada tem a ver com a imagem jovem e divertida do refrigerante Fanta que vemos na TV e na internet nos dias de hoje.

Em 1895, a Coca-Cola estava presente em todos os estados e territórios americanos. Em 1920, a primeira fábrica de engarrafamento na Europa foi aberta na França e, em 1929, a Coca já era engarrafada e consumida na Alemanha.

Em 1933, quando Hitler chegou ao poder, o alemão Max Keith assumiu a subsidiária alemã da empresa, a Coca-Cola GmbH. Keith tinha um bigodinho a la Hitler mas Pendergrast afirma que ele não era nazista, mas um cocacolista, já que “era mais fiel à bebida e à empresa do que ao próprio país”.

Parceria com a Alemanha nazista

A Coca-Cola Company não se preocupou nem um pouco com o crescimento do nazismo na Alemanha. Ao contrário: patrocinou os Jogos Olímpicos de Berlim de 1936 quando fez banners com o logotipo da Coca ao lado da suástica.

Poster do patrocinador das Olimpíadas de Berlin

A Coca-Cola não estava sozinha em ignorar as crescentes agressões de Hitler. Outras indústrias estadunidenses, tipo Hollywood, ignoraram as atrocidades e o desrespeito aos direitos humanos na Alemanha nazista e mantiveram alegremente seus negócios com os alemães.

A invasão da Europa por Hitler, em 1939, não prejudicou Keith nem a matriz da Coca-Cola nos Estados Unidos. A empresa manteve o fornecimento de xarope e suprimentos à subsidiária alemã, que expandiu seus negócios trabalhando com os países conquistados pela Alemanha: Itália, França e Holanda.

Em 1940, a Coca-Cola era a líder absoluta dos refrigerantes na Alemanha nazista. Diz a lenda que existe uma foto nos arquivos da empresa do líder nazista Hermann Göring tomando uma garrafa de Coca-Cola. Dizia-se também que Hitler gostava de assistir a filmes estadunidenses como “E o Vento Levou” apreciando sua coquinha gelada.

Os Estados Unidos entram na guerra. E a Coca-Cola sai da Alemanha

Em 7 de dezembro de 1941, o Japão bombardeou Pearl Harbor e os Estados Unidos entraram na Segunda Guerra Mundial. As empresas de lá tiveram que interromper imediatamente todas as atividades comerciais com o, agora, inimigo. O quartel-general da Coca-Cola cortou as comunicações com Keith na Alemanha e interrompeu o envio do aroma 7X (a famosa fórmula supersecreta da Coca-Cola).

A subsidiária alemã estava prestes a quebrar. Keith, obviamente, não conseguia fabricar Coca-Cola e, a qualquer momento, o governo nazista poderia tomar sua empresa. Mas ele teve uma ideia: criar uma bebida alternativa para o mercado alemão.

Uma gororoba líquida

Keith e seus químicos criaram uma receita dentro das limitações impostas pelo racionamento comum aos tempos de guerra. Utilizava sobras de outras indústrias de alimentos: aparas de frutas, fibras de maçã e polpa, açúcar de beterraba e soro de leite, o líquido restante na produção de queijo. Para criar essa gororoba líquida, Keith disse a sua equipe para usar a imaginação. E surgiu a Fanta, abreviação da palavra alemã para “fantasia”. Em 1943, as vendas atingiram quase três milhões de unidades.

A produção de Fanta foi interrompida antes do final de 1945, logo após a rendição da Alemanha. Mas os esforços de Keith em manter a Coca-Cola GmbH operando foram recompensados. Ele acabou comandando as operações da empresa na Europa do pós-guerra.

O retorno

Em abril de 1955, a Coca-Cola reintroduziu Fanta com uma nova receita, desta vez com sabor de laranja. Estreou na Itália, antes de chegar aos Estados Unidos em 1958. De acordo com Pendergrast, eles reutilizaram o nome porque era conveniente. Afinal, a Coca-Cola já tinha os direitos autorais. “Não acho que ninguém da Coca-Cola tenha se importado que a Fanta tivesse raízes dentro da Alemanha nazista”, diz Pendergrast, “provavelmente eles achavam que ninguém prestaria atenção”.

Fonte
Atlas Obscura
Mostre Mais

Coord. Pedagógica

Equipe multidisciplinar composta por filósofos, psicólogos, sociólogos, antropólogos, semiólogos, zoólogos, paleontólogos, teólogos, epistemólogos, tarólogos, bacteriólogos, monólogos, ufólogos, podólogos e egiptólogos, responsáveis por definir os caminhos pedagógicos da Escola Nômade para Mentes Criativas,

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Fechar
Fechar

Bloqueador de Anúncios Detectado

Considere dar uma força pra gente desabilitando seu bloqueador de anúncios