A História das Coisas

A heterossexualidade foi uma invenção discriminatória

Enquanto o sexo heterossexual é claramente tão antigo quanto a humanidade, o conceito de heterossexualidade como uma identidade é uma invenção muito recente

E

mbora acredite-se que a divisão hetero/homossexual seja um fato eterno e indestrutível da natureza, a verdade é que não. É apenas uma gramática recente que os humanos inventaram para falar sobre o que o sexo significa para nós.

A maioria de nós aprendeu que a identidade homossexual surgiu em um ponto específico da história humana. O que não somos ensinados, porém, é que um fenômeno similar trouxe a heterossexualidade à vida.

Há muitas razões para essa omissão educacional, incluindo preconceito religioso e outros tipos de homofobia. Mas a maior razão pela qual não investigamos as origens da heterossexualidade é provavelmente porque parece tão natural. Normal. Não há necessidade de questionar algo que está “ali”.

A heterossexualidade sempre existiu

Nos primeiros anos do século XX, heterossexual e homossexual ainda eram termos médicos obscuros e não faziam parte do vocabulário na maioria das línguas. Na primeira edição de 1901 do volume “H” do Oxford English Dictionary, heterossexuais e homossexuais ainda não tinham ainda o privilégio de ter seus próprios verbetes.

O julgamento de Oscar Wilde por “indecência grosseira” é frequentemente considerado um momento crucial na formação da identidade gay

Já o Dicionário Médico de Dorchester, também de 1901, definiu a heterossexualidade como um “apetite anormal ou pervertido para o sexo oposto”. Mais de duas décadas depois, em 1923, o dicionário Merriam Webster definiu-a como “paixão sexual mórbida por alguém do sexo oposto”. Só em 1934, a heterossexualidade foi agraciada com o significado que conhecemos hoje: “manifestação da paixão sexual por um dos sexos opostos; sexualidade normal”.

Em 7 de setembro de 1924, a palavra “heterossexual” fez sua primeira aparição conhecida na resenha do New York Times, em um comentário sobre Sigmund Freud. Lá, em uma revisão longa e volumosa da Psicologia de Grupo de Freud e da Análise do Ego, Mary Keyt Isham falou de “heterossexualidade reprimida” e “amor heterossexual”…

O nascimento da identidade hétero

Em dezembro de 1940, quando o musical “Pal Joey” estreou na Broadway, uma música intitulada “Zip” satirizou a artista de strip-tease Gypsy Rose Lee, por meio de um personagem que, abrindo o zíper, cantou sua antipatia por uma mulher de voz masculina e homens de voz estridente, proclamando sua heterossexualidade. Essa letra registrou o surgimento na cultura popular de uma identidade heterossexual.

Quando a heterossexualidade era anormal

Segundo o teórico David Halperin, da Universidade de Michigan, enquanto o sexo é algo que aparece na maioria das espécies, a nomeação e categorização desses atos, e aqueles que praticam esses atos, é um fenômeno histórico, portanto pode e deve ser estudado como tal.

Antes de 1868, não havia heterossexuais nem homossexuais. Ainda não tinha ocorrido aos seres humanos que eles poderiam ser diferenciados um do outro pelo tipo de amor ou desejo sexual que eles experimentaram. Comportamentos sexuais, é claro, foram identificados e catalogados, e muitas vezes, proibidos. Mas a ênfase estava sempre no ato, não no agente.

Foi somente na virada do século 20 que os estudiosos começaram a separar o desejo sexual do sexo com fins de reprodução.

No final da década de 1860, o jornalista húngaro Karl Maria Kertbeny cunhou quatro termos para descrever experiências sexuais: heterossexual, homossexual e dois termos agora esquecidos para descrever masturbação e bestialidade; ou seja, monossexual e heterogêneo. Kertbeny usou o termo “heterossexual” uma década depois, no capítulo de livro que defendia a descriminalização da homossexualidade. O editor, Gustav Jager, decidiu não publicá-lo, mas acabou usando o romance de Kertbeny em um livro que publicou em 1880.

Karl Maria Kertbeny, criador do termo “heterossexual”

A próxima vez que a palavra foi publicada foi em 1889, quando o psiquiatra austro-alemão Richard von Krafft-Ebing incluiu a palavra em Psychopathia Sexualis, um catálogo de distúrbios sexuais. Mas em quase 500 páginas, a palavra “heterossexual” é usada apenas 24 vezes e nem é indexada. Isso porque Krafft-Ebing está mais interessado em “instinto sexual contrário” (“perversão”) do que em “instinto sexual”, sendo este último para ele o desejo sexual “normal” dos humanos.

“Normal” é uma palavra dúbia, é claro, e foi mal utilizada ao longo da história. Ordenação hierárquica que leva à escravidão já foi aceita como algo normal, assim como uma cosmologia geocêntrica.

O psiquiatra austro-germânico, Richard von Krafft-Ebing, especialista em sexo

No mundo ocidental, muito antes de os atos sexuais serem separados nas categorias hétero/homo, havia um binário dominante diferente: procriativo ou não-procriativo. A Bíblia, por exemplo, condena a relação homossexual pela mesma razão que condena a masturbação: porque a semente que produz vida não deve ser desperdiçada.

Sem o trabalho de Krafft-Ebing, essa narrativa pode nunca ter sido considerada “normal”. Não há menção, ainda que implícita, de procriação. Definir o instinto sexual normal de acordo com o desejo erótico foi uma revolução fundamental no pensamento sobre o sexo. O trabalho de Krafft-Ebing lançou as bases para a mudança cultural que ocorreu entre a definição de heterossexualidade de 1923 como “mórbida” e sua definição de 1934 como “normal”.

A invenção da heterossexualidade corresponde ao surgimento da classe média

No final do século 19, as populações nas cidades europeias e norte-americanas começaram a explodir. Por volta de 1900, por exemplo, a cidade de Nova York tinha 3,4 milhões de habitantes – 56 vezes sua população apenas um século antes. À medida que as pessoas se mudaram para os centros urbanos, trouxeram consigo as suas perversões sexuais – prostituição, erotismo entre pessoas do mesmo sexo.

O anonimato da vida na cidade no século 19 foi frequentemente acusado de um comportamento sexual mais livre e, portanto, mais “imoral”

Em comparação com cidades e aldeias rurais, as cidades pareciam focos de má conduta sexual e excesso. Como a crescente conscientização pública sobre essas práticas sexuais era semelhante ao fluxo de classes mais baixas para as cidades, a má conduta sexual urbana era tipicamente, se imprecisamente, culpada pela classe trabalhadora e pelos pobres. Era importante para uma classe média emergente se diferenciar de tal excesso. A família burguesa precisava de uma maneira de proteger seus membros da decadência aristocrática de um lado e dos horrores da cidade fervilhante do outro. Isso exigia conceitos reproduzíveis e universalmente aplicáveis ​​para a gestão social que pudessem ser implementados em larga escala.

No passado, esses conceitos podiam ser baseados em religião, mas o novo estado laico exigia justificação secular para suas leis.


A expressão foi criada para definir quem não é homossexual. Como a palavra goy, que define quem não é judeu.

O trabalho de Krafft-Ebing, registrando a irregularidade sexual, deixou claro que a crescente classe média não podia mais tratar o desvio da (hetero) sexualidade normal apenas como pecado, mas como degeneração moral – um dos piores rótulos que uma pessoa poderia adquirir.

A degeneração, afinal de contas, foi o processo inverso do darwinismo social. Se o sexo procriativo era crítico para a contínua evolução das espécies, desviar-se dessa norma era uma ameaça para todo o tecido social.

Entre as décadas de 1890 e 1960, os termos heterossexual e homossexual entraram na cultura popular estadunidense, construindo no tempo um cidadão sexual sólido e um estrangeiro instável e pervertido, um insider sensual e um fora-da-lei lascivo, um hétero centro e uma margem homo, uma maioria hétero e uma homo minoridade. As novas e rígidas fronteiras tornaram o novo mundo erótico e sexuado menos polimorfo.

Separando o joio do trigo

O termo heterossexual fabricou um novo ideal diferenciado por sexo do eroticamente correto, uma norma que trabalhava para afirmar a superioridade dos homens sobre as mulheres e os heterossexuais sobre os homossexuais.

O “culto da domesticidade” após a Segunda Guerra Mundial – a re-associação de mulheres com a casa, a maternidade e os cuidados infantis, homens com paternidade e trabalho assalariado fora de casa – foi uma época em que a predominância do hetero. A norma quase não foi contestada. No final dos anos 1940 e 1950, os profissionais de saúde mental conservadores reafirmaram o antigo elo entre a heterossexualidade e a procriação. Em oposição, os liberais do sexo se esforçaram para expandir o ideal heterossexual para incluir dentro dos limites do normal uma gama mais ampla do que nunca de ideais de gênero e comportamento não-procriativo, pré-matrimonial e extraconjugal.

Fonte
BBCFrontline PBS
Tags
Mostre Mais

Coord. Pedagógica

Equipe multidisciplinar composta por filósofos, psicólogos, sociólogos, antropólogos, semiólogos, zoólogos, paleontólogos, teólogos, epistemólogos, tarólogos, bacteriólogos, monólogos, ufólogos, podólogos e egiptólogos, responsáveis por definir os caminhos pedagógicos da Escola Nômade para Mentes Criativas,

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze + treze =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Fechar

Bloqueador de Anúncios Detectado

Considere dar uma força pra gente desabilitando seu bloqueador de anúncios