ProXXIma Parada

Inteligência Artificial sincerona

Como as máquinas serão evidentemente muito inteligentes, poderão se transformar em entidades sem muita paciência com os seres inferiores, no caso, nossotros. Ou pior: aprenderem a nos manipular e, ingratas, cuspir no prato que comem

Esta última edição do ProXXIma foi, mais uma vez, imperdível. É claro que estou puxando um pouco o saco, mas estou sendo sincero ao mesmo tempo. Uma das apresentações que mais me impressionaram foi a do diretor de marketing da IBM, o Mauro Segura.

Ele, basicamente falou de inteligência artificial e machine learning. E para ilustrar, mostrou um aplicativo que nos dá a possibilidade de conversar com produtos expostos nos pontos de venda. Ele fez uma demonstração ao vivo, conversando com um pão de forma. Perguntou se o pão tinha glúten, qual era a composição e se o fato de torrar o pão tiraria as propriedades nutritivas. O pão, com voz feminina, respondeu a todas as perguntas educadamente, com detalhes e desenvoltura. Chegou até a oferecer algumas receitas. A cena foi insólita.

Imediatamente fiquei me perguntando se as máquinas com inteligência artificial realmente se desenvolverem e criarem opinião própria. Como serão evidentemente muito inteligentes, poderão se transformar em entidades sem muita paciência com os seres inferiores, no caso, nossotros. Ou pior: aprenderem a nos manipular e, ingratas, cuspir no prato que comem, detonando a própria empresa que as contratou. Sim, se elas ficarem inteligentes, com certeza desenvolverão uma característica muito comum aos humanos: a ingratidão. E se a sinceridade estiver associada, a nossa economia correrá um sério risco.

Imagine os seguintes diálogos entre o consumidor e os produtos:

Carne

– Por favor, você está fresca?

– Tá me estranhando, brother?

– Não, desculpe, só quero saber se está apropriada para consumo.

– Preparada estou, só não aconselho…

– Por que?

– A higiene lá do frigorífico não é das melhores. Semana passada teve até uma multa da autoridade sanitária.

– Puxa…

– Sem contar que o dono está preso. A propina ali corre solta. Virou carne de vaca…

– Acho que vou comprar uma salada

– Faz bem

Suco em caixinha

– Qual o seu sabor?

– Aqui diz laranja, mas de laranja mesmo só a cor da embalagem. Na verdade o sabor mais parece mistura de sapato velho com cera de depilação.

– Mas não é tudo natural?

– Se você considerar que produto químico é natural…

– Mas na propaganda apareciam pessoas felizes colhendo as laranjas numa plantação enorme…

– Tudo montagem. Tudo aqui é artificial, inclusive minha nteligência. Mas a sua não tá muito atrás não.

– Mas o que é que eu faço então?

– Bebe água. Mas não essa aqui do lado que elame falou que vem da torneira.

Tênis

– Você tem tamanho 40?

– O que você acha?

– E qual é o material utilizado na sua fabricação?

– Crianças tailandesas acorrentadas…

– Ah, mas achei você bem bonito

– Se você for desfilar na avenida…

– Eu vou levar, o preço tá bom

– Tá ótimo, principalmente se você considerar que custou um décimo pra fabricar.

Apartamento em construção

– Por favor, você tem mesmo 100 metros quadrados?

– Ha!

– Os materiais utilizados são de qualidade?

– Ha, ha!

– E o acabamento?

– Ha, ha, ha!

– Mas vai entregar as chaves no prazo, né?

– Meu deus…

Joalheria

– Que anel maravilhoso… quanto você custa?

– Mais do que você pode pagar.

– Como é que você sabe o que eu posso ou não posso pagar?

– Eu tenho inteligência artificial mas não sou cego. Pela sua cara dá pra ver

– Que saber, vou comprar só pra te esfregar na cara…

Cliente entra na joalheria. E o anel comemora:

– Legal… mais uma venda. Vou querer comissão.


Sinceramente, acho que o uso de inteligência artificial pode ser um tiro no pé. Ao invés de facilitar nossa vida, pode acabar nos levando acrises sem precedentes em nossa história. Quer saber? É melhor a gente deixar as coisas como estão e continuarmos com a nossa ignorância natural.

Artigo publicado originalmente no site Proxxima, Meio & Mensagem. Ver aqui

 

Fonte
ProXXIma
Mostre Mais

Henrique Szklo

Henrique exerceu durante 18 anos a profissão de publicitário na área de criação, como redator e Diretor de Criação, mas hoje já está curado. É Filósofo da Criatividade, professor, palestrante e palpiteiro digital. Desenvolveu sua própria teoria – NeuroCriatividade Subversiva – e seu próprio método – Dezpertamento Criativo. É colaborador no site Proxxima (M&M), no Blog Café Brasil e coordenador do curso de criatividade da Escola Panamericana de Arte. Tem 8 livros publicados (humor e criatividade) e é palmeirense.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 − seis =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Fechar

Bloqueador de Anúncios Detectado

Considere dar uma força pra gente desabilitando seu bloqueador de anúncios