Ciência da Criatividade

Para cientistas, a criatividade pode ser hereditária

Pesquisas sugerem que a possibilidade de a criatividade ter um componente genético é maior do que se pensava

Workshop gratuito "Os 28 Algoritmos das Mentes Criativas"

Desde os primórdios da humanidade, temos sido impulsionado pelo processo que chamamos de criatividade. Pode parecer uma explosão espontânea de novas ideias mas, na verdade, é a arte de derivar o novo do antigo – a remontagem implacável de informações que já possuímos.

Mas afinal, os fatores definidores da criatividade vêm da natureza ou da criação? Todos podem aprender a ser criativos até certo ponto, mas novas pesquisas revelaram que a influência genética pode ser maior do que se pensava.

Em 2011, Kenneth Heilman e sua equipe do Departamento de Neurologia e Neurociência da Universidade Cornell descobriram que os cérebros de indivíduos artisticamente criativos têm uma característica particular que pode aumentar a criatividade.

Um cérebro diferente

O cérebro é dividido em duas metades, ou hemisférios, que são unidos por um feixe de fibras chamado Corpo Caloso. Descobriu-se que escritores, artistas e músicos têm um corpo caloso menor, permitindo que cada lado de seu cérebro desenvolva sua própria especialização, o que pode aumentar sua criatividade. Os autores sugerem que isso “beneficia a incubação de ideias que são fundamentais para o componente de pensamento divergente da criatividade”.

Mas isso não conta a história toda. Criatividade não é apenas sobre o pensamento divergente, mas também sobre a geração de associações infinitas. Descobertas recentes sugerem que o segredo disso está em nosso DNA.

“A criatividade está relacionada à conectividade de redes cerebrais de larga escala”, diz Szabolcs Keri, do Instituto Nacional de Psiquiatria e Vícios de Budapeste. “Como as áreas do cérebro conversam entre si é fundamental quando se trata de originalidade, fluência e flexibilidade”.

Em indivíduos altamente criativos, acredita-se que essa conectividade seja especialmente difundida no cérebro, o que pode estar relacionado a genes que desempenham um papel no desenvolvimento de caminhos entre diferentes áreas. Esses genes reduzem a inibição das emoções e da memória, significando que mais informações alcancem o nível de consciência.

Genes da criatividade

Em um estudo publicado por pesquisadores da Universidade de Helsinque avaliaram a criatividade musical das pessoas com base em sua capacidade de julgar o pitch e o tempo, bem como habilidades como compor, improvisação e arranjos. Eles descobriram que a presença de um conjunto particular de genes se correlacionava com a criatividade musical. Este conjunto pertence a uma família de genes conhecida por estar envolvida na plasticidade do cérebro: sua capacidade de se reorganizar, quebrando e formando novas conexões entre as células.

A equipe também observou maior criatividade em participantes com fitas de DNA duplicadas contendo um gene que afeta o processamento de um neurotransmissor chave chamado serotonina. Esta descoberta foi apoiada por um estudo de neuroimagem recentemente publicado que descobriu que elevar os níveis de serotonina no cérebro aumenta a conectividade em um dos seus mais importantes “hubs” – uma área chamada córtex cingulado posterior.

O resultado é particularmente interessante porque, embora a serotonina seja amplamente conhecida por regular o sono, a temperatura corporal e a libido, os níveis variáveis ​​dessa substância química também estão relacionados a distúrbios neuropsiquiátricos, como a depressão bipolar.

Bipolares = bicriativos

Nos últimos 40 anos, cientistas suecos do Instituto Karolinska, em Estocolmo, realizaram um dos maiores estudos de base populacional em indivíduos com doenças mentais e seus irmãos. Eles descobriram que, embora formas graves de distúrbios, como a esquizofrenia, tendessem a ser prejudiciais para a cognição e a criatividade, os indivíduos com transtorno bipolar acabavam frequentemente em profissões onde a criatividade era crucial.

“A descoberta de que o bipolar está associado à criatividade não é surpreendente”, disse Keri. “É totalmente de acordo com as histórias de vida de pessoas famosas como Churchill, Beethoven e Hemingway que mostraram padrões bipolares. Na mania bipolar, você tem um pensamento excessivamente rápido e divergente, aumento da autoestima e energia sem fim. e motivação, muitas vezes para criar.

Beethoven era bi?

Mas, ainda mais intrigante, os parentes de pacientes com distúrbios neuropsiquiátricos também tendem a ser mais criativos. Mesmo que eles não compartilhem da doença, eles têm muito em comum geneticamente, sugerindo que são os mecanismos genéticos subjacentes, e não o próprio distúrbio, que é a fonte da capacidade criativa.

A descoberta deste “gene da criatividade” indica que certas pessoas podem ter uma propensão natural para o pensamento divergente, mas depende muito de como seus genes são expressos e é aí que o ambiente pode desempenhar um papel determinante.

Traumas modificam o cérebro

“Descobrimos que muitos indivíduos com criatividade artística sofreram graves traumas na vida, seja abuso psicológico ou físico, negligência, hostilidade ou rejeição”, disse Keri. “No nível biológico, nós e vários outros pesquisadores documentamos que o trauma está associado à alteração funcional do cérebro, e também afeta a expressão de genes que têm um impacto na estrutura cerebral, talvez nas mesmas redes de grande escala que participam criatividade.”

Então, nascemos criativos ou não? Embora fatores como a educação tenham um papel crucial no desenvolvimento de seu cérebro, o trabalho feito por cientistas na Escandinávia, na Alemanha e nos EUA mostrou que ter a composição genética correta pode tornar seu cérebro mais inclinado ao pensamento criativo. O resto de nós tem que “aprender” para ser criativo.

 

close

Cadastre-se na nossa Newsletter

Política de Privacidade

Fonte
David Cox | The Guardian
Mostre Mais

Coord. Pedagógica

Equipe multidisciplinar composta por filósofos, psicólogos, sociólogos, antropólogos, semiólogos, zoólogos, paleontólogos, teólogos, epistemólogos, tarólogos, bacteriólogos, monólogos, ufólogos, podólogos e egiptólogos, responsáveis por definir os caminhos pedagógicos da Escola Nômade para Mentes Criativas,

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios