Ciência da Criatividade

Para cientistas, a criatividade pode ser hereditária

Pesquisas sugerem que a possibilidade de a criatividade ter um componente genético é maior do que se pensava

Desde os primórdios da humanidade, temos sido impulsionado pelo processo que chamamos de criatividade. Pode parecer uma explosão espontânea de novas ideias mas, na verdade, é a arte de derivar o novo do antigo – a remontagem implacável de informações que já possuímos.

Mas afinal, os fatores definidores da criatividade vêm da natureza ou da criação? Todos podem aprender a ser criativos até certo ponto, mas novas pesquisas revelaram que a influência genética pode ser maior do que se pensava.

Em 2011, Kenneth Heilman e sua equipe do Departamento de Neurologia e Neurociência da Universidade Cornell descobriram que os cérebros de indivíduos artisticamente criativos têm uma característica particular que pode aumentar a criatividade.

Um cérebro diferente

O cérebro é dividido em duas metades, ou hemisférios, que são unidos por um feixe de fibras chamado Corpo Caloso. Descobriu-se que escritores, artistas e músicos têm um corpo caloso menor, permitindo que cada lado de seu cérebro desenvolva sua própria especialização, o que pode aumentar sua criatividade. Os autores sugerem que isso “beneficia a incubação de ideias que são fundamentais para o componente de pensamento divergente da criatividade”.

Mas isso não conta a história toda. Criatividade não é apenas sobre o pensamento divergente, mas também sobre a geração de associações infinitas. Descobertas recentes sugerem que o segredo disso está em nosso DNA.

“A criatividade está relacionada à conectividade de redes cerebrais de larga escala”, diz Szabolcs Keri, do Instituto Nacional de Psiquiatria e Vícios de Budapeste. “Como as áreas do cérebro conversam entre si é fundamental quando se trata de originalidade, fluência e flexibilidade”.

Em indivíduos altamente criativos, acredita-se que essa conectividade seja especialmente difundida no cérebro, o que pode estar relacionado a genes que desempenham um papel no desenvolvimento de caminhos entre diferentes áreas. Esses genes reduzem a inibição das emoções e da memória, significando que mais informações alcancem o nível de consciência.

Genes da criatividade

Em um estudo publicado por pesquisadores da Universidade de Helsinque avaliaram a criatividade musical das pessoas com base em sua capacidade de julgar o pitch e o tempo, bem como habilidades como compor, improvisação e arranjos. Eles descobriram que a presença de um conjunto particular de genes se correlacionava com a criatividade musical. Este conjunto pertence a uma família de genes conhecida por estar envolvida na plasticidade do cérebro: sua capacidade de se reorganizar, quebrando e formando novas conexões entre as células.

A equipe também observou maior criatividade em participantes com fitas de DNA duplicadas contendo um gene que afeta o processamento de um neurotransmissor chave chamado serotonina. Esta descoberta foi apoiada por um estudo de neuroimagem recentemente publicado que descobriu que elevar os níveis de serotonina no cérebro aumenta a conectividade em um dos seus mais importantes “hubs” – uma área chamada córtex cingulado posterior.

O resultado é particularmente interessante porque, embora a serotonina seja amplamente conhecida por regular o sono, a temperatura corporal e a libido, os níveis variáveis ​​dessa substância química também estão relacionados a distúrbios neuropsiquiátricos, como a depressão bipolar.

Bipolares = bicriativos

Nos últimos 40 anos, cientistas suecos do Instituto Karolinska, em Estocolmo, realizaram um dos maiores estudos de base populacional em indivíduos com doenças mentais e seus irmãos. Eles descobriram que, embora formas graves de distúrbios, como a esquizofrenia, tendessem a ser prejudiciais para a cognição e a criatividade, os indivíduos com transtorno bipolar acabavam frequentemente em profissões onde a criatividade era crucial.

“A descoberta de que o bipolar está associado à criatividade não é surpreendente”, disse Keri. “É totalmente de acordo com as histórias de vida de pessoas famosas como Churchill, Beethoven e Hemingway que mostraram padrões bipolares. Na mania bipolar, você tem um pensamento excessivamente rápido e divergente, aumento da autoestima e energia sem fim. e motivação, muitas vezes para criar.

Beethoven era bi?

Mas, ainda mais intrigante, os parentes de pacientes com distúrbios neuropsiquiátricos também tendem a ser mais criativos. Mesmo que eles não compartilhem da doença, eles têm muito em comum geneticamente, sugerindo que são os mecanismos genéticos subjacentes, e não o próprio distúrbio, que é a fonte da capacidade criativa.

A descoberta deste “gene da criatividade” indica que certas pessoas podem ter uma propensão natural para o pensamento divergente, mas depende muito de como seus genes são expressos e é aí que o ambiente pode desempenhar um papel determinante.

Traumas modificam o cérebro

“Descobrimos que muitos indivíduos com criatividade artística sofreram graves traumas na vida, seja abuso psicológico ou físico, negligência, hostilidade ou rejeição”, disse Keri. “No nível biológico, nós e vários outros pesquisadores documentamos que o trauma está associado à alteração funcional do cérebro, e também afeta a expressão de genes que têm um impacto na estrutura cerebral, talvez nas mesmas redes de grande escala que participam criatividade.”

Então, nascemos criativos ou não? Embora fatores como a educação tenham um papel crucial no desenvolvimento de seu cérebro, o trabalho feito por cientistas na Escandinávia, na Alemanha e nos EUA mostrou que ter a composição genética correta pode tornar seu cérebro mais inclinado ao pensamento criativo. O resto de nós tem que “aprender” para ser criativo.

 

Fonte
David Cox | The Guardian
Mostre Mais

Coordenadoria Pedagógica

Equipe multidisciplinar composta por filósofos, psicólogos, sociólogos, antropólogos, semiólogos, zoólogos, paleontólogos, teólogos, epistemólogos, tarólogos, bacteriólogos, monólogos, ufólogos, podólogos e egiptólogos, responsáveis por definir os caminhos pedagógicos da Escola Nômade para Mentes Criativas,

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × quatro =

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Fechar

Bloqueador de Anúncios Detectado

Considere dar uma força pra gente desabilitando seu bloqueador de anúncios